• Posted by : Testarossa terça-feira, 23 de outubro de 2018


    Querendo ou não, o que você gosta, o que você tem ou mesmo o que você pensa automaticamente te coloca em um grupo. Pessoas adoram agrupar tudo o que podem, tal como um computador velho, incapaz de processar cada pessoa como um individuo diferente... Oops, a história não era para ser tão séria assim.
    Em todo caso, a comunidade de animes é um resultado disso. Uma vez que você é alguém que aprecia a mídia e investe a si mesmo nela, você automaticamente se torna parte da comunidade. Pode não falar com ninguém, ou participar de fóruns e sites, mas ainda assim você existe ali. Mas claro, esses seriam casos bem a parte do padrão, pois nós tendemos a buscar por outras pessoas para conversar sobre coisas que gostamos. Mesmo quem não gosta de ir nos locais mais movimentados da internet, sem dúvidas tem seu próprio núcleo de amigos que conversam e compartilham opiniões todos os dias. Até eu me incluo nisso, mas...
    A história que quero contar hoje é sobre como mesmo tendo mais de um núcleo de amigos na internet, ainda existe uma certa barreira invisível que nos coloca em espaços diferentes.

    Imagine que em um certo local, várias pessoas (Seus amigos) se divertem juntas, compartilham experiências em comum que tiveram e até mesmo discutem, enquanto você os observa de longe enquanto se ocupa com algo que você gosta, mas que ninguém compartilha do mesmo interesse.
    Não existe a exclusão nem o sentimento de estar isolado, muito menos há desavenças ou preconceitos com o que você gosta, mas ainda assim é algo que te faz refletir. Sobre o quão interessante podem ser as conversas e discussões dos seus amigos, e sobre como todas as suas experiências, ideias e opiniões acabam tendo que ficar só para você mesmo, pois não tem ninguém para te ouvir.
    Isso é algo que vivencio constantemente dentro da comunidade de animes, dentro dos meus grupos de amigos. Houve um tempo que eu acompanhava vários animes de temporada e batia papo sobre eles com meus amigos em fóruns ou até grupo de WhatsApp, mas com o passar do tempo eu fui assistindo menos e menos animes por ano, até chegar em um ponto (Esse ano de 2018, no caso) onde em todo ano eu talvez não terminarei nem 5 animes de temporada, quem dirá 10, 20, 30 ou até mais que isso.
    Só posso observar de longe, amigos discutindo o assunto do momento ou falando sobre as repercussões disso ou daquilo.

    A comunidade de animes não é especificadamente sobre animes, é super comum falar sobre mangás, e mesmo alguém que só lê mangás ainda pode participar de várias conversas sem ser um "extra" no próprio espaço onde deveria estar incluído. Porém, no meu caso, minhas mídias favoritas e as que mais consumo são Light Novels e Visual Novels. Ambas são não só escolhas muito impopulares, mas também muito mais improváveis das pessoas consumi-las com frequência. Meu maior foco de conhecimento ser essas duas mídias significa que não tem com quem falar sobre, suas experiências, seus conhecimentos, suas opiniões, tudo acaba se tornando irrelevante diante de um grupo que provavelmente nem sequer quer ler/ouvir o que você tem a dizer sobre uma mídia que não os interessa, quem dirá dar importância. Logo, acaba sendo melhor você guardar para si e não falar nada.

    Em um grupo de WhatsApp que eu participava bastante, eu acabei ficando cada vez menos presente conforme fui focando mais no que eu realmente gostava (LN e VN), pois sabia que falar sobre o que eu achei de LN X ou VN Y para meus amigos seriam comentários ignorados, como se não existissem, que foi o que aconteceu nas minhas tentativas. Mas não é algo feito por maldade, é simplesmente natural você não dar bola para o que não te interessa. No entanto, isso acaba se tornando numa contradição, são seus amigos então obviamente te querem ali, participando, mas ao mesmo tempo não querem saber sobre o que você gosta, basicamente anulando quase tudo o que você teria para falar de interessante.
    A única solução para essa situação seria começar do zero, em um grupo de pessoas que partilham dos seus interesses, eventualmente deixando seus outros grupos de amigo de lado simplesmente por não ter muito o que falar sobre lá. Mas por enquanto não considero essa opção (Apesar do que falei do grupo do WhatsApp, então nunca se sabe).

    Eu gostaria de não sentir essa barreira invisível, porém, suas experiências na internet são mais limitadas, e em um grupo de pessoas que gostam de uma mesma coisa evidentemente terá essa coisa como foco na maioria das vezes, te forçando a esperar por uma oportunidade ideal para interagir.
    Lidar com isso me fez tentar dar mais atenção quando vejo alguém "falando sozinho" em um grupo fechado, mostrar que, mesmo que não seja o bastante, eu ao menos estou dando importância ao que a pessoa fala e levando em consideração. O mínimo que posso fazer é mostrar que a opinião da pessoa é relevante, mas muitas vezes mesmo sem nenhum embasamento para falar no assunto, eu ainda tento puxar conversa e deixar a pessoa falar à vontade sobre o que ela quer falar sobre. É um trabalho a mais que eu me permito ter, para que a pessoa não sinta essa barreira invisível, eu a incentivo a continuar fazendo o que ela quer fazer enquanto mostro apreço a isso.

    A lição que eu aprendi, e que gostaria que levassem em conta com essa história é: Tentem olhar um pouco mais para as pessoas ao seu redor, e um pouco menos para si mesmo. Como um grupo, talvez isso ajude a criar uma proximidade que normalmente não teria com outra pessoa, e quem sabe você não se abre um pouco para experienciar algo que você normalmente ignoraria? Amigos meus já fizeram isso ao darem atenção a comentários meus sobre coisas que normalmente todo mundo ignoraria, indo atrás de algo que talvez jamais iriam. Sou muito grato a eles por isso, e acredito ser o tipo de relação que vale a pena ter, pois certamente a sua ligação com tais amigos se tornará mais palpável dessa forma. Saraba Da!

    Leave a Reply

    Subscribe to Posts | Subscribe to Comments

  • Copyright © - Canal Testarossa

    Canal Testarossa - Powered by Blogger - Designed by Johanes Djogan